Conversion
to
Judaism


A opção pelo Judaísmo / Retrospecto Histórico / Diretrizes e Expectativas / O Papel do Rabino /

O Papel do Cônjuge / Exigências / Os Dez Compromissos / Questões para Reflexão

Experiências Pessoais / O Rabino / O Artigo "New York Times"

Seja Bem-Vindo

Ivdu et Adonai b’simchá” (“Sirvamos a Deus com alegria”).

Eu lhe dou as boas vindas com as antigas palavras do Templo Sagrado: “Baruch habá b’shem Adonai” (“Seja bem-vindo, você que vem aqui, em nome de Deus”).

A decisão de assumir uma identidade religiosa judaica é significativa e complexa. A escolha afeta muitas áreas da vida da pessoa: desde o conceito que faz de si mesmo às relações familiares, passando pelo estilo de vida adotado. Embora as recompensas resultantes e o sentido de plenitude possam ser enormes, os desafios e frustrações também podem parecer, às vezes, opressores. Consciente dos desafios e das oportunidades, o propósito deste documento é: apresentar a opção pelo judaísmo, explicar como eu percebo o papel do rabino dentro deste processo, esboçar o papel do seu parceiro(a), descrever as suas responsabilidades no processo de optar pelo judaísmo.
Eu acredito que trazer alguém para dentro das águas vivas do judaísmo é o cumprimento da maior aventura espiritual.

Rabino Celso Cukierkorn


A opção pelo Judaísmo


“Processo” é a palavra chave. Uma transição desta magnitude não acontece do dia para a noite. Na realidade, um aspecto importante do processo será identificar e discutir a mudança dos seus sentimentos e atitudes sobre vir a ser judeu. O processo exigirá que você explore aspectos da sua identidade espiritual, cultural e social, porque o judaísmo tocará todos os aspectos de quem você é. Assumir o judaísmo, sentir-se autenticamente judeu, exigirá paciência, coragem, um certo senso de humor, desejo de aprender e disposição para se fazer alguns questionamentos sérios. No entanto, conforme mencionado anteriormente, muitas pessoas vêm descobrindo a recompensa por esta busca, que pode vir a ser a descoberta do seu lar espiritual.
O processo de se tornar judeu não terminará com a sua conversão. Nós não podemos forçar nossas identidades a mudar completamente de acordo com um período de tempo específico. Os rituais de conversão marcarão formalmente a sua aceitação na comunidade judaica e o seu compromisso com o judaísmo. Mas o trabalho de criar a sua própria história judaica, de desenvolver o indivíduo judeu no qual você se tornará, é um processo muito mais sutil e de longo prazo. A maioria de nós, até mesmo os que nasceram judeus, leva a vida inteira dedicados a esta tarefa. Busque não ser impaciente com você nem com o processo.


Retrospecto Histórico


Ao longo de história houve os homens e mulheres que se uniram ao povo judeu por meio da conversão. No livro de Gênesis, depois que Abrão foi chamado por Deus para viajar à terra de Canaã, nós lemos: “E foi-se Abrão, como lhe falou o Eterno... e tomou Abrão a Sarai, sua esposa, e a Lot, filho de seu irmão... e às almas (pessoas) que haviam adquirido em Harán.” (Gênesis 12:4-5). De acordo com interpretação rabínica, as “almas que haviam adquirido” representaram os primeiros convertidos ao judaísmo; e todos os convertidos, quando adquirem seus nomes hebraicos, são conhecidos como ben (filho de) ou bat (filha de) Avrahám (Abrahão).

O exemplo mais famoso de um convertido bíblico é Ruth que, como sabemos, foi a bisavó do Rei David. Levando-se em conta o que diz a tradição — a saber, que o Messias virá da linhagem de David —, então o Messias também descenderá de uma convertida ao judaísmo.

No período talmúdico, vários rabinos e sábios famosos eram, eles mesmos, convertidos descendentes de convertidos, e também houve exemplos interessantes de conversão de grupos ao judaísmo, como todo o reino dos kazares, no século 8 da era comum.


Diretrizes e Expectativas para o Curso Online de Introdução ao Judaísmo


1. Este curso é voltado para pessoas que estejam distantes de uma comunidade judaica ou do acesso a um rabino que possa trabalhar com vistas à conversão.

2. O ensino ocorrerá por meio de correspondência online. Ao longo do processo, o rabino fará perguntas, na forma de um exame, que será respondido pelo estudante.

3. Este curso é planejado para ser personalizado, focado nas capacidades e interesses de cada estudante. O curso não tem prazo para terminar, uma vez que depende da dedicação de cada estudante e do tempo disponível para estudo.

4. É obrigatório realizar uma entrevista pessoal com aqueles que pretendem estudar judaísmo com o objetivo de conversão. Nesta entrevista, o rabino Cukierkorn avaliará as motivações e expectativas do candidato.

5. O curso está disponível a um custo nominal que deve ser discutido com o rabino Cukierkorn. O estudante também será responsável pelos livros que ele ou ela irá precisar comprar.

6.  Doações também são bem-vindas, como um modo de mostrar a sua satisfação com o trabalho do rabino Cukierkorn.

7. Uma vez que a comunidade é fundamental para a vida judaica, espera-se que os estudantes façam um esforço para visitar sinagogas quando possível.

8. Espera-se que os estudantes assumam o compromisso de continuar os estudos de judaísmo, de textos judaicos e tradições, para o resto das suas vidas.

9. Os estudantes devem se comprometer a criar seus filhos como judeus.


O Papel do Rabino


Como rabino, eu cumpro dois papéis básicos neste processo. Por um lado, eu sou o representante da comunidade judaica. Tenho a responsabilidade de assegurar que qualquer indivíduo que se uma à nossa comunidade assuma uma qualidade de compromisso, um conjunto e valores e uma atitude com relação ao judaísmo que beneficie o povo judeu.

Por outro lado, eu espero servir como professor, conselheiro e companheiro espiritual na viagem do indivíduo em direção à sua identidade judaica. À primeira vista, estes dois papéis podem parecer estar em conflito. Mas a minha experiência atesta que, se eu cumprir bem ambos os papéis, naquelas ocasiões em que um candidato à conversão ao judaísmo NÃO se tornar judeu, tal decisão normalmente decorrerá de um reconhecimento compartilhado de que conversão não seria a escolha certa para aquela pessoa naquele momento.


O Papel do Cônjuge


Muitas pessoas que consideram a possibilidade da opção pelo judaísmo, inicialmente o fazem por questões conjugais ou familiares. Nestas situações, o envolvimento ativo e apoio do cônjuge ou parceiro no processo será de fundamental importância. A escolha de um parceiro tornar-se judeu obviamente afetará uma relação matrimonial. Entre outros desafios importantes, vocês precisarão trabalhar para decidir qual estilo de vida judaico vocês desejam para o seu lar. Freqüentemente, estas discussões forçam o parceiro nascido judeu a reexaminar antigas certezas ou atitudes. Novamente, paciência, senso de humor e uma disposição de estar aberto são qualidades realmente importantes e úteis. Mas, acima de tudo, ambos os parceiros precisam estar ativamente envolvidos neste processo de transição.


Exigências


Embora a viagem de cada pessoa em direção ao judaísmo seja orgânica e individual, há algumas exigências básicas às quais eu destaco abaixo. Estas exigências buscam assegurar que alguém que finalmente opte pelo judaísmo possa firmar um compromisso informado, saudável e pleno com a vida judaica e com o povo judeu. Para este fim, o judeu em potencial deve dominar o conhecimento das idéias e práticas judaicas básicas, haver participado de algumas vivências judaicas principais e explorado suas atitudes, convicções e sentimentos no modo como estes se relacionam ao judaísmo.

Mais especificamente, eis, em breves palavras, as tarefas exigidas:

1. O domínio das idéias e práticas judaicas básicas é alcançado em boa parte pela participação em um curso de Introdução ao Judaísmo. Detalhes específicos do curso serão fornecidos separadamente. Quando o judeu em potencial faz parte de uma relação matrimonial já existente, o cônjuge ou parceiro também deve participar do curso. A conclusão bem-sucedida do curso é alcançada após a realização de um exame aberto. O conteúdo do exame é uma revisão do material coberto e o sucesso no mesmo demonstra compreensão e domínio da informação básica.

2. A exigência de fazer parte de vivências judaicas como, por exemplo, reuniões comunitárias, participação regular nos serviços religiosos, cumprimento do ciclo de vida e dos feriados religiosos, cumprem vários objetivos. Para o judeu em potencial, estas vivências promovem encontros com a vida judaica na prática e devem influenciar na decisão de se tornar ou não judeu. Estas experiências também ajudam o judeu em potencial a construir uma história judaica e um passado judaico que lhe será útil. Isto significa que este reservatório crescente de vivências judaicas por fim formará a base para uma firme identidade judaica.

3. A exigência para explorar atitudes, convicções e sentimentos será realizada por uma série de encontros para conversas regulares, a serem marcados. Estas reuniões incluirão oportunidades para perguntas não respondidas ao longo do curso, para o estudo de algumas fontes judaicas tradicionais que moldem o processo de se tornar judeu e como uma grande oportunidade para discutirmos a vivência na medida em que esta se desdobra em toda a sua complexidade e entusiasmo. Uma vez mais, o “outro significativo”, o parceiro, deve fazer parte da maioria destas reuniões.

4. Nós discutiremos os detalhes dos rituais de conversão somente mais tarde. Por ora, eu gostaria apenas de incluir uma série de perguntas que fazemos em um desses rituais. Se você optar por se tornar judeu, você precisará poder responder “sim” para todas estas perguntas. Eu sugiro que você as leve em conta e reflita sobre elas nos seus diversos pontos durante os próximos meses. Elas podem lhe servir como uma boa bússola.

- Você opta por entrar para a aliança eterna entre Deus e o povo judeu e se tornar um judeu por sua livre vontade?
- Você aceita o judaísmo  e a exclusão de todas as outras crenças religiosas e práticas?
- Você empenha a sua lealdade ao judaísmo e ao povo judeu sob todas as circunstâncias?
- Você se compromete com a busca da Torá e da sabedoria judaica?
- Se você for abençoado com filhos, você promete criá-los como judeus?

O meu envolvimento com pessoas que querem se tornar judias tem sido um grande privilégio e um dos aspectos mais plenos do meu rabinato. Eu estou esperando entusiasticamente pela viagem na qual estamos a ponto de embarcarmos juntos. Por favor, sinta-se livre para entrar em contato comigo e faça qualquer pergunta que você quiser, a qualquer momento durante o processo. É por isso que eu estou aqui.

 


Os Dez Compromissos


É isto o que nos ensinamos a um Judeu por Opção.
Todos os judeus deveriam aplicar estes Dez Compromissos e santificar suas vidas.

1. Cumprimento do Yom Kipur: jejuar e ir à sinagoga simbolizam o nosso compromisso de cumprir não somente o Yom Kipur, mas também Rosh Hashaná, (o ano novo judaico) e as demais festividades.

2. Acender as Velas de Shabat: simboliza o nosso compromisso de começar a cumprir o  Shabat em casa e na sinagoga.

3. Mezuzá: simboliza o nosso compromisso em ter um lar judaico.

4. Tsedacá: o compromisso de dar de nós mesmos, do nosso tempo e do nosso dinheiro, de acordo com as possibilidades.

5. Afiliação: o compromisso de se tornar sócio de uma sinagoga e um membro ativo da comunidade da sinagoga.

6. Leis dietéticas: aceitação de alguns aspectos que reflitam isso e compreensão e da importância dos mesmos para uma vida judaica. Reconhecimento da validade da disciplina.

7. Serviço religioso: o compromisso de participar regularmente dos serviços religiosos na sinagoga.

8. Educação: cada indivíduo deve apresentar um esboço ou plano para dar continuidade à educação judaica.

9. Amor a Israel: inclui apoio ao povo judeu, à Terra de Israel como a pátria judaica histórica, e ao Estado Judeu. Apoiar as instituições judaicas que atuam em nome do Israel e dos judeus no seu país e ao redor do mundo.

10. Criar os filhos como judeus: o compromisso de “ensinar diligentemente aos teus filhos” (oração Shemá Israel, parágrafo Veahavtá) é o nosso compromisso de criar os filhos na religião judaica.


Questões para Reflexão

  1. Como o judaísmo define Deus? Quais são as suas visões sobre Deus?
  2. Quais são as principais funções da sinagoga? O que é encontrado em uma sinagoga?
  3. Quais são as diferentes partes de um serviço religioso? Quando e onde ocorrem os serviços? Na sua opinião, qual é a passagem mais importante do Sidur, o livro judaico de orações? Por que?
  4. Quais são as crenças básicas do judaísmo, e como elas diferem das do cristianismo?
  5. Qual é o maior significado do Shabat? Quais são os principais rituais e cerimônias praticadas no Shabat?
  6. Como você planeja implementer o Shabat na sua vida?
  7. Como você explica o fenômeno do anti-semitismo? Quais são algumas das causas do anti-semitismo?
  8. Qual é o significado histórico de Israel? De Jerusalém? Do Cótel (Muro das Lamentações)? Como você se relaciona com Israel?
  9. Quais são os principais componentes de um lar judaico? Como estes podem ser implementados no seu próprio lar?
  10. Analise, do seu ponto de vista, se os judeus são uma raça, uma nação, um grupo religioso ou um povo.
  11. Por que a história é tão importante para os judeus e para o judaísmo? Como a história afeta a vida judaica?
  12. O que você considera como as características e ações mais importantes em ser um bom judeu?
  13. Descreva os aspectos mais importantes do ciclo da vida e das comemorações dos feriados religiosos na vida judaica. Você se vê, na sua vida, fazendo parte destas comemorações?
  14. Descreva os diferentes sentidos da Torá no judaísmo.

Quantos destes termos você conhece?


1. Lulav e Etrog

13. Matsá

25. Hagadá

2. Shofar

14. Bar/Bat Mitsvá

26. Yizcor

3. Jejum de Yom Kipur

15. Havdalá

27. Judaísmo Reformista

4. Tishá beÁv

16. Mezuzá

28. Mitsvá

5. Meguilá

17. Talmud

29. Yahrzeit

6. Sucá

18. Simchát Torá

30. Shehecheiánu

7. Shavuot

19. Cádish

31. Kol Nidrê

8. Seder

20. Ner Tamid

32. Chalá

9. Brit Milá

21. Kidush

33. Brachá

10. Halachá

22. Confirmação

34. Chanucá

11. Inquisição

23. Diáspora

35. Rosh Hashaná

12. Sentar de Shivá

24. Holocausto

 


Experiências Pessoais de Conversão
daqueles que Optaram pelo Judaísmo



Erkan

Os seus avós paternos eram judeus romenos que, nos anos 1930, fugiram dos nazistas para alcançarem segurança na Turquia. Erkan tem 28 anos e é filho de um pai judeu e uma mãe muçulmana. Nos anos 1960 os seus pais emigraram da Turquia para a Alemanha, onde o seu pai praticava secretamente o judaísmo na comunidade muçulmana alemã. Erkan escolheu o judaísmo como a sua religião, enquanto seu irmão decidiu pelo islamismo. Até a morte do seu pai, ele não tinha idéia da necessidade do processo de conversão, porque sempre havia se identificado como judeu.   Quando o seu pai foi enterrado em um cemitério islâmico — por causa da vida secreta dele como judeu — Erkan percebeu que era necessário tornar o seu compromisso com o judaísmo oficial e conhecido.

Emma,

55 anos, vive no extremo sul dos Estados Unidos. Ela descreve o seu descontentamento  com o cristianismo desde a infância, como por exemplo, sentimentos de insatisfação com a doutrina de uma religião que condena as pessoas de outras religiões ao “inferno” por não acreditarem no mesmo que eles acreditam. Ler a Torá abriu um novo mundo para a “grandiosidade e singularidade de Deus”, e ela esteve apta a resolver suas incertezas sobre o cristianismo e abraçar a sua convicção em Deus por meio do judaísmo.

Craig
vem de uma fazenda de gado do “Outback” de Queensland, Austrália, e de um histórico familiar protestante anglicano. Por meio de extensas leituras e estudos em teologia, ele passou a acreditar que são as nossas próprias experiências e valores que determinam o  nosso futuro, e não aquela ordem de dogma que devemos aceitar sem duvidar. Ele então percebeu que o judaísmo lhe oferecia o que estava procurando. Com a sua conversão aos 27 anos, ele diz: “Encontrei o meu lar espiritual”.

Brad,
Do Texas, EUA, e de uma educação batista sulista, passou a questionar a sua base no cristianismo por volta dos 12 anos. Ao longo dos anos ele abandonou todos os aspectos da religião organizada. Então, ao sentir um vazio espiritual, passou a estudar as várias religiões do mundo. Por meio deste estudo ele veio a desenvolver a sua própria filosofia, a sua definição de Deus, e começou a estabelecer o que deveria ser a sua relação com Deus. Ele descobriu que o produto da sua busca coincidia com o judaísmo. Brad descreve o seu processo de conversão como “vagar por muitos anos no deserto antes de determinar que (as suas) convicções coincidiam com as do judaísmo.” Ele realizou a sua conversão formal aos 51 anos de idade.


O Rabino



Celso Cukierkorn é rabino da Adat Achim Synagogue em Sunny Isles Beach, Florida, EUA. Ele é membro do gabinete rabínico da UJA (United Jewish Appeal). Suas responsabilidades profissionais já o levaram para a China, Europa Oriental, América do Sul, México e Israel. Ele vem de uma família rabínica que remonta a 700 anos.
Ele diz: “É uma grande alegria receber, em nosso meio, uma pessoa que, por vontade própria e com dedicação, ajuda a preencher a população do meu povo”.

 


A chamada para a Torá, agora com atendimento on-line

Foto: James Bates, 2004

CHARLES DeLaFUENTE
Publicado em 1 de julho de 2004 no New York Times
Tradução: Uri Lam, em 1 de novembro de 2007

O judaísmo tem mais de 5 mil anos. A Internet tem estado ao redor por uma fração minúscula deste tempo. Mas rabino com um site da Web especializado tem reunido a antiga tradição e a moderna tecnologia, ao oferecer conversões ao judaísmo em um processo que é principalmente realizado on-line.
O rabino, Celso Cukierkorn, oferece um curso de conversão on-line a qualquer um que queira se tornar judeu. Um PC e uma conexão da Web reúnem o rabino e candidatos à conversão de lugares tão distantes quanto a Austrália e a Nova Zelândia para estudarem on-line e chegarem finalmente ao exame final.
O rabino Cukierkorn é ele mesmo um convertido, de certo modo, à tecnologia da informática. Ele foi criado em São Paulo, Brasil, e lembra que os estudantes aprendiam a usar computadores em seu colégio. Mas o equipamento era de uma tecnologia ultrapassada, provavelmente dos anos 1960, ele imagina, e ele não buscou aprender a usar computadores após o colégio.
“Até meados dos anos 1990 eu era uma analfabeto em computadores”, disse o rabino Cukierkorn, 34 anos. “mas então eu percebi que há modos diferentes de tocar as pessoas”, e que o computador era um deles.
Seus antepassados, que eram rabinos, “viajavam de aldeia em aldeia para trazer a mensagem de Deus”, ele explicou. “Agora ocorre a mesma coisa, exceto que eu não vou para um lugar específico. Eu posso fazer isso pelo computador”.
O rabino Cukierkorn também conduz aulas de conversão presenciais na Congregação B'nai Israel, uma sinagoga em Hattiesburg, Mississipi e atualment na sinagoga Adat Achim na Florida. Mas a moderna tecnologia, ele diz, lhe proporciona um modo maravilhoso de ajudar as pessoas que não podem encontrar um rabino para convertê-los ou que moram em lugares onde não têm um rabino, ou ainda que o horário deles não lhes permite fazer o processo de conversão” dos modos mais tradicionais. Segundo ele, a maioria dos seus estudantes on-line fica sabendo do seu site, www.conversiontojudaism.org, de pessoas que fizeram o curso com ele ou com outros rabinos.
O currículo on-line, dividido em oito unidades, é uma mistura de livros e de material on-line, alguns dos quais escritos pelo rabino Cukierkorn. É feito sob medida para cada estudante, dependendo do conhecimento anterior sobre judaísmo. Por exemplo, uma das unidades é o que o rabino chama de “o ciclo de vida do ano judaico”, começando com Rosh Hashaná, o Ano novo judaico, e passando por outros feriados e festivais religiosos em ordem cronológica.
Ao término de cada unidade, há uma avaliação. O currículo requer cerca de 80 a 120 horas de trabalho, que pode levar cerca de três meses a mais de um ano para ser completado.
Além do curso on-line, o processo exige a presença a um seminário de conversão. Um ocorreu recentemente em Beverly Hills, Califórnia, e outro está agendado para Miami Beach. O rabino Cukierkorn disse que esperava realizar pelo menos um seminário por em Nova York. O curso é seguido por um exame final, também realizado on-line, com 100 perguntas. Mas ao contrário da maioria dos testes, não há uma contagem de pontos predeterminada. O rabino disse que ele busca ver “como eles se sentem e o que está dentro deles”. Ele lê as respostas “para enxergar um quadro maior”.
“É disso que estamos falando”, ele diz. “Nós não estamos buscando capacidades intelectuais.” O rabino disse que ele geralmente deixa o convertido decidir quanto pagar, e que os pagamentos variam de quase nada a US$2.500 dólares.
Muitas conversões envolvem alguém que se casou ou planejou se casar com um judeu, mas algumas pessoas dão outras razões, segundo o rabino. Um dos casos mais incomuns dizia respeito a pessoas que haviam assistido o filme “A Lista de Schindler” e decidiram individualmente que queriam se tornar judeus.
Uma dos estudantes on-line do rabino, Melissa Davimos, 38 anos, de Boca Raton, Flórida, disse que quis se converter antes que a filha dela, Spencer, nascesse. Ela disse que não conseguia encontrar uma sinagoga em Boca Raton que recebesse bem um convertido, e por isso voltou-se à Internet. Ela declarou que ela e seu marido, que é judeu, planejavam se associar em breve a uma sinagoga e realizar uma cerimônia para dar nome ao bebê, Spencer, que agora tem 3 meses de idade.
Outra participante, Ana Scherer, de Florianópolis, Brasil, disse por e-mail que nasceu católica, mas que aos 12 anos “chegou à conclusão de que o catolicismo não era a minha verdadeira chamada”. A senhora Scherer, de 34 anos, disse que começou a estudar on-line no Brasil e continuou quando se mudou para Sunny Isles Beach, Flórida, em 2000.
O rabino Cukierkorn, que foi preparado como um rabino ortodoxo e graduado pelo Seminário Rabínico Ayshel Avraham em Monsey, N.Y., disse que não havia encontrado críticas de que as pessoas que buscam conversão on-line não são suficientemente sérias sobre o desejo delas se tornarem judias.
O rabino Ismar Schorsch, chancellor do Jewish Theological Seminary of America (JTS) em Nova York, o centro acadêmico e espiritual do Judaísmo Conservador, disse que o movimento conservador exige pelo menos um ano de estudos dos candidatos a conversão, incluindo aprendizado de hebraico, e requer “bastante contato humano”, embora o processo não precise ser todo cara a cara.
O rabino Schorsch disse que lhe parecia que o programa pelo site da Internet poderia ser o segundo teste e seria “diretamente seguido” ao primeiro.
O rabino Cukierkorn disse que o seu processo de conversão on-line era idêntico ao que ele aplica em sua sinagoga. “A única diferença é que eu poderia fazer a entrevista de conversão por telefone”, ele disse.

Perguntado de onde vinha a maioria dos convertidos por ele, o rabino fez uma pausa e então disse: “Eu tenho pessoas de todo lugar. Eles vêm de onde quer que Deus toque suas almas”.

 



Rabino Celso Cukierkorn
myrabbi@msn.com
(305) 510-8111




Return to Main Page